Área do aluno
Pesquise nas Escrituras
[ Ex.: graça | Ex.: Gn 1:1-10 ]
Av. José Ferreira dos Reis, 777
Sertãozinho – SP
CEP: 14161-025
Fone: 3521-1111

Educação é contexto e não circunstância

Imagem: Pressmaster, de envatoelements

Imagem: Pressmaster, de envatoelements

22/09/2020

Há uma diferença entre circunstância e contexto. No primeiro caso, as coisas não duram, são momentâneas. Porém, podem causar efeitos profundos dependendo do que atingem. Já no contexto há uma permanência. É construído por condições históricas. Fruto de relações e ações que se consolidaram ao longo do tempo. Em alguns casos, viraram hábitos. A educação tem seu contexto e atravessa circunstâncias.

A pandemia atingiu inúmeros setores, com a educação não foi diferente. Portas das escolas fechadas, ação necessária para se conter a propagação da Covid-19. Professores e alunos tiveram que conviver com uma tecnologia que já avançava contextualmente e circunstancialmente se acelerou. Tudo o que nos pega de impacto pode nos ajudar a reagir de forma rápida ou nos aniquila se estivermos com a saúde frágil.

A educação vem de um contexto frágil. Ela já sobre a muito tempo. Nosso baixo desempenho em áreas de conhecimento básicas demonstra ao longo dos anos o preço do descaso. Uma desqualificação imensa dos brasileiros. Em grande parte sentem o efeito econômico que estamos atravessando com desemprego e baixa renda, faltou educação, qualificação. Faltou capacidade de enfrentar as circunstâncias porque já vem de uma debilitação contextual.

O grande problema ao se discutir educação é que não conseguimos dimensionar circunstancialmente o preço dos nossos atos. Mas com o passar dos anos ele fica explícito nos déficits educacionais que vão se denunciando. Um elo da cadeia dos anos de educação quando se rompe ou fica frágil, compromete muito a formação de conteúdos subsequentes. Não por acaso, no último ranking da Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE), nós ficamos na 57a posição.

Ao estamos diante de uma crise e que precisamos buscar uma oportunidade no mercado de trabalho ou mesmo ir atrás de uma qualificação, a falta de um conhecimento básico em matemática e português, assim como ciências, cobra seu preço diariamente. O contexto em que a educação é tratada no país gera este abalo circunstancial.

Defendo a retomada gradual da educação. Fico triste ao ver as escolas fechadas, sem os alunos e sem um calendário definido, com data marcada para o retorno. Temo que lideranças políticas estejam mais preocupadas em satisfazer a vontade dos pais de temerem seus filhos se contaminarem ou mesmo de uma sociedade que atende às circunstâncias, mas não entende o contexto do que uma escola fechada. A educação virtual pode ajudar, mas não supera a relação em sala de aula. Ainda vamos pagar muito caro por esta política de atender às circunstâncias e não entender o contexto.

Para encerrar, gostaria de lembrar que com afrouxamento das medidas de restrição e desobedecendo a lei, uma multidão se reúne em bares e lanchonetes. Se concentram nas ruas. Andam sem máscara. Muitos que defendem que as escolas fiquem fechadas tem um filho, um irmão, alguém de sua família que se sentem na liberdade de frequentar ambientes de risco para satisfazer o lazer e não pensar na educação como prioridade.

Não é difícil de entender o descaso que se tem com a escola. Fácil falar que é mais seguro que elas fiquem fechadas para quem não entende ou participa de sua função. No contexto da história da educação brasileira, olhe os números e entenda o que construímos ao longo destes anos, desprezo, descaso, demagogia, as coisas que nunca se realizam.

Se você valoriza mesmo a educação, transforme ela em uma prioridade. Invista no que vale a pena, entenda o preço de não valorizarmos a qualidade do ensino. E circunstancialmente, neste momento, entenda a importância do retorno gradual das aulas para que não tenhamos um prejuízo ainda maior, valorize a escola e acompanhe as medidas de segurança, os protocolos de retorno.

O futuro agradece.

CBN Maringá, escrita por Gilson Aguiar

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - ©2009
RGB Comunicação - Agência de Internet e Produtora de Vídeo