Área do aluno
Pesquise nas Escrituras
[ Ex.: graça | Ex.: Gn 1:1-10 ]
Av. José Ferreira dos Reis, 777
Sertãozinho – SP
CEP: 14161-025
Fone: 3521-1111

Vídeos na web podem ajudar na educação

Imagem retirada de https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/09/16/1131298/confira-10-sites-bons-videos-educacao.html

Imagem retirada de https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/09/16/1131298/confira-10-sites-bons-videos-educacao.html

13/08/2019

A tela do celular pode não ser uma distração, mas sim um aliado no aprendizado dos alunos. Com uma maior quantidade de smartphones e tablets à disposição, ficou mais fácil procurar e ter acesso a conteúdos que podem cair na prova da semana ou até no Enem. Ferramentas como o YouTube, o segundo maior buscador do mundo, perdendo para o próprio Google, hoje auxiliam milhões de alunos e milhares de professores. A grande dúvida é como utilizar a ferramenta da melhor forma, seja produzindo ou consumindo o conteúdo dentro e fora da sala de aula.

O assunto será um dos temas do evento “Cresça com o Google”, que tem início nesta terça-feira (13), no Centro de Convenções, em Olinda. Embaixador do YouTube EDU, o professor pernambucano Ivys Urquiza será um dos palestrantes. Criador do canal "Física Total", com quase meio milhão de usuários inscritos no YouTube, Ivys é também o único educador do mundo a reunir os títulos de Google Certified Innovator e embaixador do YouTube EDU.

Saindo das tradicionais salas de aula, ele partiu para os conteúdos por vídeo, que trazem uma experiência diferente para quem quer aprender algo, uma tendência na área. “A própria CEO do YouTube (Susan Wojcicki) afirmou que a plataforma não é mais exclusivamente de entretenimento, e que a educação é um dos pilares atuais”, destaca o educador, em entrevista para a Folha de Pernambuco. Atualmente, o YouTube EDU possui cerca de 30 mil vídeos, produzidos por 400 provedores verificados, como “Física Total”. Material à vontade e gratuito, que está cada vez mais sendo utilizado pelos brasileiros.

De acordo com uma pesquisa da Provokers, realizada em 2018 em parceria com o Google, 9 entre cada 10 brasileiros usam o YouTube como ferramenta de estudos. A ferramenta também é usada como fonte de conhecimento para novas habilidades profissionais, que representaram cerca de 87% dos entrevistados.

Mas, a divulgação deste tipo de conteúdo não deve ser feita de qualquer forma. “A dica que eu dou para quem for produzir o conteúdo é que entenda a sua audiência, ter um bom título, que se aproxime de quem está vendo. Quanto mais inteligente for a comunicação que você cria, mais chance você tem de ser visto e ser encontrado”, explica o professor pernambucano. “No meu primeiro vídeo, eu iria usar um título mais analítico, mas por conta de uma dica de um amigo, acabei mudando para algo que o aluno procuraria com maior facilidade, e acabou virando o terceiro vídeo mais visto do meu canal”, completa.
Folha PE

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - ©2009
RGB Comunicação - Agência de Internet e Produtora de Vídeo